quinta-feira, 28 de julho de 2011

A você, meu amor.




Eu sei que meus medos e que minhas manias são difíceis de lidar, eu conheço meus defeitos, e você sabe disso.
 Não vou pedir que me entenda sempre, mas será necessária muita paciência, principalmente nas vezes em que você não me entender.
 Eu sei, paciência não lhe falta. Eu sei que você sempre me amou. Aliás, quero lhe agradecer mais uma vez por isso, por você ter me ouvido tantas e tantas vezes, por ter aberto mão dos teus sentimentos para muitas vezes acabar sentindo os meus, e principalmente por sempre ter me amado do jeito que eu sou, desconfiada, impaciente e medrosa.
 Hoje eu sei que foi do teu amor que eu tirei forças para sobreviver nos piores momentos, que foram os teus olhos, cheios de verdade, cheios de amor, que me disseram silenciosamente que eu era alguém importante. E eu sei que você sabe disso.
 Você esteve sempre tão presente em minha memória que fica até difícil de explicar porque demorei tanto tempo para notar-te ali. Não é mentira, eu sempre carreguei você comigo, o teu amor, o teu carinho, o teu sorriso, a tua amizade.
 A tua insistência em me ver feliz, em me ver bem, me fizeram conhecer o amor incondicional.
 E a verdade é que essa mesma insistência que já me fez louca de raiva, foi quem me mostrou que foi você quem eu sempre procurei, que eu não gostava dos teus carinhos em vão, que eu tinha tudo para amar-te, eu só não tinha percebido ainda.
 Hoje, com a mesma certeza que te disse vá embora aquela vez, eu te digo que te amo. Sem brincadeiras, sem mais me fazer de forte.
 Eu amo o teu cheiro no meu travesseiro, o gosto bom que você deixa na minha boca cada vez que parte, eu amo saber que você irá voltar no outro dia, de um jeito ou de outro.
  Mas você sabe, como sempre as desconfianças me atordoam, me machucam. Como sempre, eu vou esperar você partir para nunca mais voltar, eu não vou te segurar, não vou te prender, mas não quero me machucar, por isso, se não for pra me amar, meu amor, não fique aqui, não esquente nunca mais a minha cama, não me diga mais que me ama

Nenhum comentário:

Postar um comentário