terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

“Como adestrar sua cara-metade”




Segue e boa leitura...

Sabe aquelas manias irritantes do dia-a-dia, como acumular roupas sujas no chão ou louças na pia, perguntar sempre para você onde estão os chinelos ou chaves do carro dele, atrasar-se para todos os compromissos, deixar kleenex amassado no chão ou na mesa a poucos metros de uma lata de lixo etc? É possível, minha amiga, mudar esses comportamentos insuportáveis de seu marido. A escritora americana Amy Sutherland, nesse artigo fantástico no New York Times, revela uma estratégia genial para isso: amestrar seu marido, usando técnicas semelhantes às dos treinadores de animais exóticos, que ela observou e pesquisou extensivamente para escrever um de seus livros.
Antes de conhecer as técnicas de adestramento de animais, Amy era uma esposa frustrada, que tentava mudar os defeitos do marido de forma negativa, reclamando com ele. Isso só criava mais discussões e não alterava o comportamento do rapaz em nada. Mas ela teve uma luz quando começou a entrevistar os treinadores de golfinhos na Califórnia: eles PREMIAM o bom comportamento, e ignoram o mau. Reclamar e encher o saco de um golfinho não adianta. É preciso que o bicho descubra que a cada vez que ele saltar bem alto e fizer outras gracinhas, ele ganhará um peixe delicioso. Ou seja, em vez de brigar com o marido por causa das roupas sujas no chão, ela começou a abraçá-lo e beijá-lo toda vez que o via colocando uma roupa no cesto. Com o tempo, as pilhas de roupas espalhadas pelo chão foram diminuindo.

Dentre os principais aprendizados que ela extraiu desses, vamos dizer, testes, ela cita algumas dicas de retorno imediato: 

- Sempre devemos premiar o comportamento que apreciamos: E isso nos mínimos detalhes, como simplesmente jogar a roupa suja no cesto. E premiar não necessariamente significa dar biscoitinho, pode ser desde o nível de um ‘obrigada’ até carinhos mais especiais (se é que você me entende). ;

- Sempre devemos ignorar aquilo que não gostamos: Reclamar das atitudes que você não gosta só faz aumentar a dosagem dessas atitudes que não gostamos. Afinal, ‘você não consegue fazer com que uma foca mantenha a bola no focinho resmungando com ele’. Ao perceber que você não dá atenção (assim como cachorros quando ficamos imóveis) aos poucos seu marido vai deixar de fazer o que você não gosta, simplesmente porque você pacientemente não deu bola e nem deu o mínimo de atenção. Não reaja, simplesmente;

- ‘Nada é culpa do animal’: Procure uma forma positiva de abordagem. Às vezes o tom da voz, a maneira como se fala, pode render excelentes resultados. ‘Os psicólogos dizem isso há anos. É muito mais eficaz reforçar positivamente os bons hábitos que punir o que é indesejável’;
Com essas simples três regrinhas é possível manter um relacionamento saudável, bem-humorado e bem-sucedido, segundo a autora.

Claro que essas técnicas também podem ser usadas pelos maridos com suas mulheres. O importante é conhecer bem o espécime com quem você está lidando, saber os seus gostos, preferências, e a que eles respondem melhor. Obviamente, há um limite para o adestramento. Elefantes jamais poderão falar, e alguns homens simplesmente são incapazes de perder certas manias chatas. De qualquer forma, não custa tentar essas técnicas de adestramento e ver se o seu sapo, pouco a pouco, poderá se transformar num príncipe.

Mas especialistas vêem o método com ressalvas, afinal, apesar do reforço positivo ser uma boa técnica psicológica, os seres humanos, diferente dos animais, possuem muito mais variáveis que podem gerar respostas inesperadas aos estímulos propostos. Numa relação de anos, o diálogo muitas vezes já está muito desgastado, o caminho apontado pela jornalista pode ser o mais fácil, mas não é o mais eficaz por não considerar a complexidade das dificuldades que implicam um relacionamento. O mais importante é ter tolerância com a presença do outro e saber dividir o espaço com o parceiro, chegando a acordos nos quais os dois cedam.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

5 cartas de amor escritas por personagens históricos

 Adorei essa materia e espero que gostem :)


Beethoven declarou-se a uma amada imortal, desconhecida até hoje. Napoleão errou a mira e escreveu cartas de amor para uma pretendente infiel. Marx trocou mensagens românticas com sua noiva para driblar as proibições dos pais da moça. Lewis Carroll, escritor de Alice no país das maravilhas, declarou-se para uma menina que conheceu quando ela tinha 9 anos e ele já estava na casa dos 30. Yoko Ono continuou declarando seu amor para John Lennon 27 anos após o cantor ser assassinado.
O História sem fim reuniu cinco cartas de amor de quem marcou a História. São documentos de diferentes épocas, escritos por personagens de diferentes áreas, vivendo em contextos diferentes. Confira como cada um expressou seu amor e conte: qual é sua favorita?
1. De Beethoven para sua Amada Imortal

Após a morte do gênio em 1827, seu assistente, Anton Schindler, encontrou uma carta de amor guardada entre os pertences do compositor. Em 1840, Schindler publicou uma biografia sobre Beethoven e divulgou o material. Somente o dia e o mês estão registrados na carta. O local em que a carta foi escrita e o nome da destinatária – identificada na carta como “Amada Imortal” – não aparecem. A história inspirou o filme “Minha Amada Imortal”, de 1995.

Em 1880, a carta foi comprada pela Biblioteca Estatal de Berlim, onde permanece até hoje. Leia:
“Meu anjo, meu tudo, meu próprio ser – Hoje apenas algumas palavras à caneta (à tua caneta). Só amanhã os meus alugueres estarão definidos – que desperdício de tempo… Por que sinto essa tristeza profunda se é a necessidade quem manda? Pode o teu amor resistir a todo sacrifício embora não exijamos tudo um do outro? Podes tu mudar o fato de que és completamente minha e eu completamente teu? Oh Deus! Olha para as belezas da natureza e conforta o teu coração. O amor exige tudo, assim sou como tu, e tu és comigo. Mas esqueces-te tão facilmente que eu vivo por ti e por mim. Se estivéssemos completamente unidos, tu sentirias essa dor assim como eu a sinto. [...] Nós provavelmente devemos nos ver em breve, entretanto, hoje eu não posso dividir contigo os pensamentos que tive nos últimos dias sobre minha própria vida – Se os nossos corações estivessem sempre juntos, eu não teria nenhum… O meu coração está cheio de coisas que eu gostaria de te dizer – ah – há momentos em que sinto que esse discurso é tão vazio – Alegra-te – Lembra-te da minha verdade, o meu único tesouro, o meu tudo como eu sou o teu. Os deuses devem-nos mandar paz… Teu fiel Ludwig”
2. De Napoleão Bonaparte para Josefina

É como dizem: sorte no front, seca no amor. Napoleão era desses. Até que conheceu Josefina de Beauharnais, viúva de um visconde e seis anos mais velha que ele. Não demorou muito até que o baixinho subisse ao altar com a dama. Enviado para o campo de batalhas, Napoleão declarava em cartas o seu amor pela esposa. O problema é que Josefina não estava na mesma vibe que o cara: além de não retribuir as correspondências, começou a traí-lo. Ao tomar conhecimento do chifre, Napoleão decidiu dar o troco: começou a se relacionar com uma mulher que se disfarçava de homem para lutar. Confira a carta que Napoleão escrevia, enquanto Josefina o traía…
“Já não te amo: ao contrário, detesto-te. És uma desgraçada, verdadeiramente perversa, verdadeiramente tola, uma verdadeira Cinderela. Nunca me escreves; não amas o teu marido; sabes quanto prazer tuas cartas dão a ele e ainda assim não podes sequer escrever-lhe meia dúzia de linhas, rabiscadas apressadamente. Que fazes o dia todo, Madame? Que negócio é assim tão importante que te rouba o tempo para escrever ao teu devotado amante? Que afeição abala e põe de lado o amor, o terno e constante amor que lhe prometeste? Quem será esse maravilhoso novo amante que te ocupa todos os momentos, tiraniza seus dias e te impede de dedicar qualquer atenção ao teu esposo? Cuidado, Josefina: alguma bela noite as portas se abrirão e eu surgirei. Na verdade, meu amor, estou preocupado por não receber notícias tuas; escreve-me neste instante quatro páginas plenas daquelas palavras agradáveis que me enchem o coração de emoção e alegria. Espero poder em breve segurar-te em meus braços e cobrir-te com um milhão de beijos, candentes como o sol do Equador. Bonaparte”
3. De Karl Marx para sua esposa Jenny von Westphalen

O intelectual alemão escreveu cartas à mulher que viria a ser sua esposa e mãe de seus filhos, Jenny von Westphalen, filha de um barão da Prússia. Os dois se conheceram ainda na universidade e, para driblar a proibição familiar de namorar, mantiveram durante anos uma relação de amor por meio de cartas. Confira uma delas.
“Meu amor, enquanto nos separa um espaço, estou convencido de que o tempo é para o meu amor como o sol e a chuva são para uma planta: fazem crescer. Basta você ir, meu amor por você apresenta-se a mim como ele realmente é: gigantesco; e nele se concentra toda minha energia espiritual e toda a força dos meus sentidos …. Você vai sorrir, meu amor, e te perguntarás por que eu caí na retórica. Mas se eu pudesse pressionar contra o meu coração o seu, puro e delicado, guardaria em silêncio e não deixaria escapar nem uma só palavra.”
4. De Lewis Carroll para Gertrude Chataway

Gertrude Chataway foi a mais importante criança que o escritor Lewis Carroll teve como amiga. O poema A caça ao Snark, inclusive, é dedicado a ela e aberto com um acróstico com seu nome. Biógrafos de Carroll, conhecido por escrever Alice no país das maravilhas, revelam que ele conheceu a garota quando ela tinha apenas 9 anos e que, desde então, os dois mantiveram uma amizade que se estendeu até a vida adulta. Meio estranho? Espere até ler a carta.
“Minha querida Gertrude, você vai ficar admirada, surpresa, desolada ao saber que terrível indisposição eu senti quando você partiu. Mandei chamar um médico e lhe disse: ‘Dê-me um remédio contra o cansaço porque eu estou cansado’. Ele me respondeu: ‘Nunca! Você não precisa de remédio! Se você está cansado, vá para a cama!’ ‘Não’, repliquei, ‘não se trata desse tipo de cansaço que passa quando se deita. Eu estou cansado no rosto.’ Ele ficou muito sério e depois disse: ‘Sim, estou vendo, é seu nariz que está cansado; e isso acontece por que você mete o nariz em tudo’. E eu respondi: ‘Não, não é bem o nariz. Talvez tenha sido um gole de ar’. Então ele fez uma expressão de espanto e disse: ‘Agora estou entendendo: naturalmente você tocou muitas árias em seu piano’. ‘De forma nenhuma, protestei. Nada de árias, mas de alguma coisa que fica entre o meu nariz e o meu queixo’. Aí ele ficou muito sério e perguntou: ‘Ultimamente você tem andado muito com seu queixo?’ Eu disse: ‘Não’. ‘Bem!’ disse ele, ‘isso me preocupa muito. Não sente alguma coisa nos lábios? ‘Claro!’ exclamei. É exatamente isso que eu sinto!’ Então ele ficou mais sério do que nunca e disse: ‘Acho que você andou dando muitos beijos’. ‘Bem’, respondi, ‘na verdade eu dei um beijo numa menininha que é muito minha amiga.’ ‘Pense bem’. disse ele, ‘você tem certeza de que foi somente um?’ Eu pensei bem e disse: ‘Talvez tenham sido onze’. Então o doutor respondeu: ‘Você não deve dar nenhum beijo até que seus lábios tenham descansado bastante’. ‘Mas o que devo fazer’, repliquei, ‘se ainda estou devendo a ela cento e oitenta e dois beijos?’ Nessa hora ele ficou tão triste, mas tão triste, que as lágrimas começaram a rolar em seu rosto. E ele disse: ‘Você pode enviálos numa caixa’. Então eu me lembrei de uma pequena caixa que eu havia comprado em Dover, pensando em poder um dia oferecê-la a uma menininha. Por isso é que eu lhe envio essa caixa depois de ter colocado nela todos os meus beijos. Diga-me se eles chegaram bem, ou se algum se perdeu pelo caminho.”
5. De Yoko Ono para John Lennon

Às vésperas do 27º aniversário de morte de Lennon, Yoko Ono escreveu em seu blog uma declaração de amor para o músico. Ora dirigindo-se a John, ora ao leitor, Ono pediu Paz, como fizera anos antes ao lado do cantor, lutando pelos direitos das mulheres, dos trabalhadores e pelo fim da Guerra do Vietnã. Falou das saudades, do vazio ao olhar para a cama vazia, do filho órfão. Falou da dor de amar quem não está ao nosso lado.
“Sinto saudades, John. 27 anos se passaram e ainda desejo poder voltar no tempo até aquele verão de 1980. Lembro-me de tudo – dividindo nosso café da manhã, caminhando juntos no parque em um dia bonito, e ver sua mão pegando a minha – que me garantia que não deveria me preocupar com nada, porque nossa vida era boa. Não tinha ideia de que a vida estava a ponto de me ensinar a lição mais dura de todas. Aprendi a intensa dor de perder um ser amado de repente, sem aviso prévio, e sem ter o tempo para um último abraço e a oportunidade de dizer “Te amo” uma última vez. A dor e o choque de perder você tão de repente está comigo a cada momento de cada dia. Quando toquei o lado de John na nossa cama na noite de 08 de dezembro de 1980, percebi que ainda estava quente. Esse momento ficou comigo nos últimos 27 anos – e vai ficar comigo para sempre. Ainda mais difícil foi ver o que foi tirado de nosso lindo filho Sean. Ele vive com uma raiva silenciosa por não ter seu pai, a quem ele tanto amava e com quem compartilhou sua vida. Eu sei que não estamos sozinhos. Nossa dor é compartilhada com muitas outras famílias que sofrem por serem vítimas de violência sem sentido. Esta dor tem de parar. Não percamos as vidas daqueles que perdemos. Juntos, façamos o mundo um lugar de amor e alegria e não um lugar de medo e raiva. Este dia em que se comemora a morte de John, tornou-se cada vez mais importante para muitas pessoas ao redor do mundo como um dia para lembrar a sua mensagem de Paz e Amor e fazer o que cada um de nós podemos fazer para curar este planeta que nos acolhe. Pensem em Paz. Atuem em paz. Compartilhem a Paz. John trabalhou para ele toda a sua vida. Ele costumava dizer: “Sem problemas, somente soluções”. Lembre-se, estamos todos juntos. Podemos fazê-lo, devemos. Eu te amo! Yoko Ono Lennon.”
 E aí, quem mais mexeu com seu coração?

Marcel Verrumo

http://super.abril.com.br/blogs/historia-sem-fim/5-cartas-de-amor-escritas-por-personagens-historicos/ 

Talvez

Eu quis um dia te dar
A luz pra iluminar
O escuro da solidão
Não deu!...
Lutei pra te conquistar
De tudo fiz pra mostrar
Foi grande a decepção
Valeu!...
Quando a saudade apertar
Não vou chorar
Mas se o meu pranto rolar
Deixa!...
Quando a solidão chegar
Querendo me acompanhar
Eu não vou desanimar
Jamais vou me entregar
Eu vou cantar, vou compor
Pra esquecer essa dor..
Um dia eu vou encontrar
Minha felicidade
(Felicidade!)
Eu já perdoei as maldades
Que você me fez
Adeus querida!
Até um dia quem sabe
Até Talvez!
Que pena!
O nosso amor desfez...

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

E como eu queria...

E como eu queria teu par de chinelos ao lado do meu no tapete da porta de nossa casa. Ter suas roupas misturadas as minhas, nossas escovas de dentes ocupando um mesmo potinho no banheiro. Como eu queria acordar com tuas mordidas, cócegas e beliscões. Dormir contigo numa cama de solteiro, bem apertados mesmo, colados, eu por cima e você por baixo. Dividir com você um pote grande de sorvete nos dias quentes e um edredom nas noites frias. Ter seu aroma impregnado na minha pele, nas minhas roupas, nos lençóis. Como eu queria jogar vídeo game contigo, usar tuas blusas como pijama, deixar teu corpo e tuas roupas cheias de manchas de batom. Passar horas no telefone com você. Ouvir tua respiração, discutir quem ama mais quem. Ter teu ombro como travesseiro enquanto assistimos um filme qualquer numa noite de chuva. Tomar banho de chuva depois do filme. E em seguida fazer tudo que temos direito no seu quarto. Como eu queria te ter ao meu lado, me ter ao teu lado […] Como eu queria ter você.

Confiança Significado


 
Confiança Significado 
 
Confiança é o ato de deixar de analisar se um fato é ou não verdadeiro, entregando essa análise à fonte de onde provém a informação e simplesmente considerando-a. Se refere a dar crédito, considerar que uma expectativa sobre algo ou alguém será concretizada no futuro. Aceitar a própria decisão de outra pessoa. Confiar em outro é muitas vezes considerado ato de amizade ou amor entre os humanos, que costumam dar provas dessa confiança. Sem essas provas, o indivíduo tende a basear-se apenas na informação dada (ou a falta dela) acabando por seguir provavelmente uma linha de pensamento longe da verdade.
Confiança é o resultado do conhecimento sobre alguém. Quanto mais informações sobre quem necessitamos confiar, melhor formamos um conceito positivo da pessoa.


“Ser fiel é saber respeitar quem você ama de verdade, não enganar não trair,
saber dar valor a pessoa que confia em você”
Fran

O que eu penso :

Bem pra mim confiança significa entregar completamente. Falta muita coisa nesses dois textos e descrições da palavra confiança e ser fiel. Para haver confiança é preciso haver algo mais …. amor. Amar não significa só o dizer, significa provar , tomar atitude , ir a garra e mostrar que se ama. Falar é deitar palavras ao vento e mesmo essas se perdem no tempo. As palavras servem para provar o que as atitudes outrora falaram. E quanto a traição? Tal como Eleanor Roosevelt uma vez disse:

“Se alguém trai você uma vez, a culpa é dele. Se trai duas vezes, a culpa é sua.”

E a pergunta vêm mas porque esta ligação entre confiança e traição? Luthor uma vez disse :
“Quanto maior a confiança, maior a traição”

Quantos mais confiamos maior é a probabilidade de sermos traídos ….Confiança não basta pedir para ter-la … é preciso merece-la e , também, saber mantê-la… Mas existe algo que não é preciso muito para acabar com a confiança.A mentira. A mentira é algo que nos consome fazendo nos tornar algo pequeno de espírito.

“Mentir é maldade absoluta. Não é possível mentir pouco ou muito; quem mente, mente. A mentira é a própria face do demônio.”

E claro o problema da confiança , da mentira e da traição é só uma:

Fiquei magoado, não por me teres mentido, mas por não poder voltar a acreditar-te.

Friedrich Nietzsche

Eu tenho medo sinceramente. Medo de confiar naquilo que um dia pode vir a destruir-me. Comparo o amor a uma flor . A flor mais linda que existe. O seu cheiro? é insaciável. Seu aspecto? um vermelho escuro , ardente que têm as pétalas mais lindas que o olho do ser humano já viu. Mas essa flor , essa linda flor aromática, está no fim  do inicio de um principio.Vais arriscar em apanhar-la ? Eu arrisquei, espero não cair e morrer. Espero sair deste precipício com a flor nos meus braços para poder cuidar dela . Onde estou neste momento ? Na parte mais difícil , na ponta.Deixo aqui um concelho para poderem vencer esta mesma batalha que luto diariamente contra os meus próprios medos:

Amor não se conjuga no passado; ou se ama para sempre, ou nunca se amou verdadeiramente.

Ama, no dia em que descobrires que foste traído aprenderás uma grande lição: A da vingança.

Relacionamentos



Os relacionamentos são mais difíceis agora porque conversas tornaram-se mensagens de texto, argumentos tornaram-se telefonemas, sentimentos tornaram-se mensagens subliminares on-line, sexo tornou-se fácil, a palavra “amor” é usada fora de contexto, inseguranças tornaram-se sua maneira de pensar, ficar com ciúmes se tornou um hábito, confiança foi perdida, enganar tornou-se um acidente, deixar se tornou a única opção e ser ferido tornou-se natural.